Publicações > Meus Artigos > Todos os Artigos

VOLTAR

Resistência bacteriana a antibióticos e alimentação de bebês

A alimentação com fórmula no início da vida está associada a alterações da microbiota intestinal infantil e um aumento da carga de resistência a antibióticos.

por Dr. Moises Chencinski

27/10/2021

Que o aleitamento materno protege contra infecções respiratórias e digestivas, especialmente se seguidas as recomendações de ser iniciado na sala de parto, oferecido em livre demanda e exclusivo até o 6º mês, continuado até 2 anos ou mais, não é novidade para ninguém. 820.000 mortes anuais, em crianças abaixo de 5 anos de idade, seriam evitadas no mundo dessa forma.

Que antibióticos agem contra "bactérias sensíveis" e não só contra "bactérias patogênicas" (ruins) e isso causa uma disbiose (desequilíbrio da flora bacteriana intestinal, uma das grandes responsáveis pela defesa de nosso organismo) também não causa nenhum espanto. Assim, a prescrição de antibióticos deve ter indicação precisa, e o seu controle, para evitar automedicação e outros prejuízos à saúde pelo seu uso indevido (RDC 44, de 26 de outubro de 2.010 da Anvisa - ) deve ser de conhecimento de todos os profisionais de saúde, evitando, assim, entre outras complicações, o aumento de quadros de resistência bacteriana a esse tipo de medicamento.

Estudo recente, publicado no The American Journal of Clinical Nutrition analisou possiveis causas para que os bebês, que são mais suscetíveis a infecções fatais, apresentarem maiores índices de resistência bacteriana a antibióticos, gerando infecções mais graves.

Os resultados apontaram para o impacto da alimentação dos lactentes e uma exposição precoce à fórmula infantil como significativos par esse desfecho. O grupo que recebeu fórmula apresentava 69% a mais de bactérias que carregavam genes de resistência bacteriana (ARG) em comparação com bebês alimentados exclusivamente com leite humano. Além disso, os bebês alimentados com fórmula também tinham significativamente menos bactérias infantis típicas, como as bifidobactérias, que trazem benefícios potenciais à saúde.

O estudo traza seguinte conclusão:

A nova descoberta de que a exposição à fórmula está correlacionada com uma carga maior de ARG neonatal estabelece a base de que os médicos devem considerar o modo de alimentação além do uso de antibióticos durante os primeiros meses de vida para minimizar a proliferação de bactérias intestinais resistentes a antibióticos em bebês.

Dr. Moises Chencinski - CRM-SP 36.349 - PEDIATRIA - RQE Nº 37546 / HOMEOPATIA - RQE Nº 37545